Área Exclusiva do Cliente

Insira seu usuário e senha para acessar a área exclusiva

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,75 3,75
EURO 4,41 4,42

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

24ºC
14ºC
Nublado com Pancadas

Segunda-feira - Brasília, ...

26ºC
13ºC
Pancadas de Chuva

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Notícias

Deputado Gehlen Diniz rebate críticas ao ex-governador Orleir Cameli

Compartilhe! O deputado Gehlen Diniz (PP) rebateu o líder do governo na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Daniel Zen (PT), que em discursos feitos na tribuna semana passada afirmou que o ex-governador e já falecido Orleir Cameli faliu o Estado durante o tempo que que ficou no governo. Gehlen Diniz afirmou que não rebateu as acusações anteriormente porque estava em um congresso de legisladores fora do Estado. Disse ainda que Daniel Zen tenta desqualificar o trabalho da bancada federal acreana que faz parte da oposição, mas que são os deputados da base do governo que votam favoráveis a projetos que prejudicam a população. “O cidadão sabe que não estamos aqui e alega que ninguém rebateu as acusações que ele fez porque são verdade. Não sabia que vossa excelência usava desses artifícios para enganar a população. Isso é trapaça! Vejo o líder do governo tentando desqualificar a bancada federal. Vamos falar de fatos históricos: Medida Provisória n° 664, que dificulta o acesso de pensão por morte, criando carências. Deputados federais Raimundo Angelim, Sibá Machado e Léo de Brito, todos do PT, votaram a favor. Medida n° 665, dificulta a obtenção do seguro desemprego, entre outros, aos pescadores profissionais, os mesmos votaram a favor também”, alegou. O parlamentar falou também sobre o caso envolvendo Marcelo Odebrecht, que em depoimento resultante da Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal, visando apurar um esquema de lavagem de dinheiro que movimentou bilhões de reais em propina, citou como um dos beneficiados do esquema o senador Jorge Viana (PT), que recebia o codinome “menino da floresta”. “Marcelo Odebrecht afirmou que o menino da floresta era um codinome do Jorge Viana, que pediu R$ 2 milhões para financiar a campanha do irmão ao governo. Utilizaram dinheiro da Petrobras para fazer campanha e agora querem macular a imagem do senador Gladson Cameli, que diferente deles não responde a nenhum processo”, rebateu. Gehlen Diniz citou ainda o caso envolvendo o pré-candidato ao governo Marcus Alexandre (PT), que em outubro do ano passado foi levado, junto com a esposa, para prestar esclarecimentos na Polícia Federal acerca do possível desvio de verba pública. Alegou também que o ex-prefeito teve os honorários de seus advogados pagos com dinheiro público. “É esse governo que querem manter? Vai acabar e o desespero está tomando conta. Tentam atacar a imagem dos outros, mas quem não cumpre o que promete são eles. A população não aguenta mais. O senador Gladson não responde a nenhum processo e vai ganhar, sim. Vocês não administraram para o bem comum, mas para os amigos do poder. Vinte anos no poder não são 20 dias, não deram a Saúde de primeiro mundo, não deram segurança, não fizeram nada”, finalizou. Andressa Oliveira Agência Aleac
Fonte:
AL Acre
16/05/2018 (00:00)
Visitas no site:  13790
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.